Servidores do IFCE entram em greve por tempo indeterminado

1404
FOTO: ASCOM SINDSIFCE

Em um ginásio lotado, servidores, docentes e TAEs do IFCE, deliberaram pela adesão à greve nacional do Sinasefe. A greve é por tempo indeterminado.

A decisão foi tomada em Assembleia Geral, realizada hoje, 05/04, de forma presencial, no ginásio de esporte do campus Fortaleza.

Os 33 campi do IFCE entram em greve a partir do dia 11/04, próxima quinta-feira. Votaram filiados e não filiados ao SINDSIFCE, ativos e aposentados.

A Reitoria será informada da decisão.

A greve do Sinasefe envolve docentes e TAEs dos Institutos Federais, Cefets e do Colégio Pedro II, dentre outras instituições, e tem como pauta a reposição salarial, a reestruturação das carreiras, a recomposição orçamentária das IFEs, a revogação do Novo Ensino Médio e de outras medidas contrárias ao serviço público.

Valmir Arruda, Coordenador Geral do SINDSIFCE

Essa decisão reafirma a luta dos servidores. Estamos em greve buscando reajuste salarial e reestruturação das carreiras”, afirmou Valmir Arruda, Coordenador Geral do SINDSIFCE.

Os estudantes também compareceram à Assembleia e defenderam a importância da greve pautar a luta em defesa da educação e, em específico, da assistência estudantil.

A Assembleia Geral aprovou, ainda, a construção do comando de greve, que já inicia suas atividades.

Fez toda diferença 

Em decorrência das Assembleias Locais, realizadas em todos os campi do IFCE, a grande maioria dos servidores já estavam a par do debate sobre a conjuntura e as razões e argumentos para embasar seus votos. Por meio desta atuação, todos puderam debater a “oferta” de 0% de reajuste para 2024 por parte do governo, mesmo diante das perdas salariais dos TAEs e dos docentes EBTT, assim como repudiaram as constantes enrolações do governo durante as mesas de negociação e a falta de resposta e compromisso.

EM TEMPO – O SINDSIFCE já tem marcada uma reunião com o Reitor, no próximo dia 12/04, em que o comando de greve deve encaminhar as tratativas sobre a pauta de reivindicações locais e sobre a construção do acordo de reposição, evitando a implementação de restrições ou retaliação de qualquer natureza aos servidores que aderirem ao movimento paredista.

PERSPECTIVA – A perspectiva é que governo do presidente Lula deve deparar-se, a partir de 15 de abril, com uma greve geral de professores e técnicos que tende a paralisar todo o sistema federal de ensino. Trabalhadores de diferentes categorias que atuam nessas instituições têm aliado suas mobilizações e devem paralisar o funcionamento de todas simultaneamente. A negociação entre o governo e os servidores da Educação Federal se arrasta desde julho do ano passado e segue sem avanços.

Algumas informações importantes:

Para que todos os ritos legais seja seguidos, algumas orientações são importantes:

– É preciso aguardar 72h do RECEBIMENTO da comunicação sobre a greve pela Reitoria. Essa entrega mediante RECEBIMENTO será realizada na segunda-feira, dia 08/04/2024, pela manhã.
– Assim sendo, a greve começa, efetivamente, dia 11/04/2024, quinta-feira.
– Ou seja, nos dias 08/04/2024, 09/04/2024 e 10/04/2024 as servidoras e os servidores devem cumprir suas atividades e expediente normalmente.

Esses ritos devem ser seguidos  para que não haja risco da greve ser declarada ilegal.

Aproveite esses dias para conversar com a comunidade acadêmica sobre a pauta da greve e as reivindicações da categoria.