25 de julho, Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha

Historicamente, as mulheres negras são, cotidianamente, expostas à dinâmica de exploração alavancada pelo racismo e pelo sexismo.
Apesar do racismo ser forte componente, essa desvalorização não é pura causalidade ou consequência do ódio racial perpetuado previamente, mas um método de controle social.
A elaboração do ódio, preconceito racial e sexismo especificamente voltado para as mulheres negras, está, portanto, fundamentado nas relações de poder e dominação.
É necessário pensar na construção de uma luta interseccional, que considere todas as diferentes formas de dominação, discriminação e opressão.
O Sindicato dos Servidores do IFCE tem a clareza de que o presente – e o futuro – é feminista, decolonial, antirracista! Vamos á luta! Juntes!