GREVE DA EDUCAÇÃO – Servidores docentes e técnicos das universidades federais e do IFCE promovem ato amanhã (19), na reitoria da UFC

176

Servidores docentes e técnicos administrativos das três universidades federais do Ceará (UFC, UFCA e UNILAB) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) promovem, na manhã da próxima sexta-feira (19), um ato unificado da Greve da Educação. A atividade ocorre nos jardins da reitoria da Universidade Federal do Ceará (Av. da Universidade, 2853 – Benfica), em Fortaleza, por articulação das três entidades sindicais que representam as categorias: ADUFC, SINTUFCE e SINDSIFCE. As principais pautas reivindicadas são recomposição dos salários e do orçamento das instituições federais de ensino superior (IFES), reestruturação das carreiras e revogação de medidas aprovadas nos governos Temer e Bolsonaro atacando servidores.

A programação terá início às 8h30 e contará com aula pública sobre o Orçamento público federal, ministrada pelo Prof. Fábio Sobral, do Departamento de Teoria Econômica da UFC, cortejo pelas ruas e atividades culturais, entre elas a banda Chico Chico da Matilde. Professores da UFC, UFCA e UNILAB estão em greve desde 15 de abril. Já os técnicos administrativos dessas universidades paralisaram há um mês, ainda em março. A greve de docentes e técnicos do IFCE teve início no dia 11 de abril.

A mobilização geral da Educação ocorre num contexto em que o governo federal confirmou o reajuste de 0% para 2024, gerando revolta nos trabalhadores do serviço público federal. “Não podemos aceitar essa proposta. Isso significa que teremos perdas reais nos nossos salários, que já estavam desvalorizados em razão do congelamento salarial imposto nos governos anteriores (Temer e Bolsonaro)”, reforçou a presidenta da ADUFC, Profª. Irenísia Oliveira. Para ela, a recomposição do orçamento da Educação federal é fundamental para que se mantenha a qualidade e excelência do trabalho oferecido à sociedade.

A opinião é partilhada por Valmir Arruda, coordenador-geral do Sindicato dos Servidores do IFCE (SINDISFCE). “Precisamos colocar o servidor da educação no orçamento. Saudamos a iniciativa do Governo Federal em abrir mais 100 campi do Instituto Federal em todo país, mas e os servidores? Quem faz o serviço público funcionar são as pessoas. Queremos recomposição salarial! É a hora de valorizar os servidores da educação”, destacou o dirigente.

O coordenador-geral do SINTUFCE, Wagner Pires, convocou os servidores públicos federais e a população a fortalecerem a Greve da Educação. “É preciso que as categorias possam, neste momento, unir forças para fazer frente a esse desafio histórico que é a reformulação das carreiras, a luta pelos salários e, principalmente, que as universidades possam ter o seu orçamento recomposto”, disse. “Essa é uma luta pela educação superior pública, gratuita e de qualidade em todo o Ceará”, complementou.

Greve ocorre após meses de negociações frustradas

A luta dos/as servidores/as públicos/as federais já se arrasta por meses. Desde julho do ano passado, quando foi instalada a Mesa Nacional de Negociação Permanente com o governo federal, entidades sindicais aguardam uma posição sobre o reajuste salarial para 2024. Em reunião da mesa central de negociações no último 10 de março, o governo federal reafirmou o reajuste de 0% para 2024, frustrando dirigentes sindicais presentes no encontro.

Mais informações

Lorena Alves Crispim (Comunicação/ADUFC) – (85) 98864.2776
Julyta Albuquerque (Comunicação/SINDSIFCE) – (85) 99927.0278
Gustavo Augusto-Vieira (Comunicação/SINTUFCE) – (85) 99264.6561 / (85) 99902.1496