Reitoria diz precisar cumprir a IN 54 e SINDSIFCE decide judicializar

Servidores de diversos campi, Diretores do SINDSIFCE e Comando de Greve estiveram, hoje, 13/06, durante toda manhã, na sede da Reitoria em reunião com a Gestão do IFCE.

A segunda rodada de negociações teve início com grande mobilização em frente ao prédio da Reitoria, resultado das intensas atividades durante a última semana.

Com a pressão do ato e apesar do atraso, o Reitor recebeu a comitiva; durante toda a reunião a Gestão foi intransigente na aplicabilidade da Instrução Normativa número 54 de 2021, que trata do corte ponto para servidores paredistas, uma afronta a constitucionalidade do direito de Greve.

Durante a reunião, membros do Comando de Greve foram enfáticos ao dizer que há forte apoio, em unidades do IFCE em todo o Estado e que a adesão à greve cresce a cada dia.

A Gestão do IFCE, no entanto, disse que não pode se furtar a executar a IN 54 e que não pode deixar de enviar as devidas orientações sobre isso aos diretores; buscando acordar um formato conciliador, o Reitor garantiu orientar para que esse processo de greve ocorra com tranquilidade e sem assédio por parte dos Diretores de campi e que só enviará o registro de ponto no fim do mês, permitindo que o SINDSIFCE “ganhe tempo” para obter uma decisão judicial que afaste a aplicação da IN 54 no IFCE, garantindo a autonomia da mesa de negociação.

Foi firmado, ainda, que caso a liminar seja concedida, a Reitoria do IFCE não irá ser contrária a medida, portanto, não iria apresentar novos termos judiciais.

Até a definição judicial, o SINDSIFCE que servidores em greve não assinem nenhum documento solicitado pela gestão e que não façam acordos unilaterais, remetendo ao Sindicato todas as tratativas, assim como não será informado à Gestão do IFCE nomes dos grevistas.

O processo de negociação continua aberto entre o Sindicato e a Reitoria e novo encontro deverá acontecer dia 24/06, com horário ainda a definir.

O SINDSIFCE convoca Assembleia para a próxima quarta, dia 15/06, às 15 horas, no Campus Fortaleza.

É de grande importância que os servidores continuem mobilizados e cumprindo as agendas de luta da greve.

A nossa luta é justa e legítima! Pela reposição salarial e contra os cortes na Educação!