IFCE Campus Canindé: Inoperância da gestão avalizada pela Reitoria

215

Que a situação do Campus Canindé não é boa já sabemos, infelizmente. O Sindicato dos Servidores do IFCE vem denunciando, há muito tempo, o triste desenrolar dos acontecimentos.

Os banheiros quebrados, aparelhos de ar-condicionados sem funcionar, paredes rachadas, piscina sempre em obra (mas com prazos sempre sendo estendidos), falta de orçamento e todas as questões estruturais, que já são de conhecimento de toda a comunidade do Campus Canindé.

Nas últimas semanas, no entanto, um importante ator entrou em cena: os estudantes. Assumindo o devido protagonismo no processo, alunos e alunas do Campus Canindé, têm se posicionado com firmeza, imputando as devidas responsabilidades, conscientes do seu papel. Ora, a inoperância da gestão do IFCE atinge, principalmente, o interesse daqueles que são a razão de existir dessa instituição. O SINDSIFCE enaltece a resistência dos estudantes.

Os estudantes resolveram denunciar para além dessa comunidade, atravessando os muros institucionais e chegando às mídias.

E quais os efeitos disso? Temos assistindo a tentativa da construção de uma narrativa, por parte da Direção Geral do Campus Canindé e da Reitoria do IFCE, de que “estamos resolvendo”. Então, é nosso papel trazer alguns questionamento que julgamos pertinentes para entender como as coisas “estão sendo resolvidas”.

  • Por que ao visitar o Campus numa comitiva, a representação da Reitoria só escutou os alunos “escolhidos”, não promovendo uma reunião ampliada com os discentes do Campus e servidores docentes e técnico-administrativos em educação?
  • Por que os professores e professoras, para serem recebidos, tiveram que chegar “de surpresa” numa reunião da Reitoria (que, de início, não permitia entrassem todos/as na sala)?
  • Por que a Reitoria não recebe o Sindicato para dialogar sobre a questão? Acesse aqui os ofícios enviados.

A atual situação só evidência a forma como o IFCE trata seus alunos e servidores. A solução, então, foi expor o problema para toda a comunidade acadêmica e sociedade. Será que apenas pela pressão externa poderemos chegar a algum lugar? O mais triste de toda essa situação é evidenciar que tentar o diálogo é ineficaz; a busca pela resolução dos problemas só vem após a exposição pública. O que não faz o medo de “sujar a imagem”, não é mesmo? Para o que estão no dia-a-dia do Campus, infelizmente, nada muda.

Os assédios continuam dentro do Campus, que tem péssimo ambiente para o trabalho. Além disso, novos fatos continuam, sendo denunciados. Constatamos que servidores e servidoras – docentes e técnicos administrativos – estão se afastando por problemas de saúde e, como “resposta”, temos um diretor que cita a Constituição nas redes sociais para atacar alunos e servidores, querendo invalidar um movimento pacifico e democrático.

O Sindicato dos Servidores do IFCE realizou denúncia ao Ministério Publico e à Ouvidoria do IFCE. No entanto, nossos alunos precisaram gritar, postar em redes sociais, manifestar toda sua indignação onde lhes cabia: no Campus, na rádio, no youtube, na TV e nas redes sociais.

Esperamos que agora esse “grito”, protagonizado pelos/as estudantes seja ecoado, ainda mais. Talvez assim a Reitoria nos escute e possa de fato tomar uma providência.

A luta continua!