11 de julho: Dia de Mobilização dos Servidores Federais

30

Diante da retomada das negociações entre entidades sindicais e Governo Federal, o SINASEFE destaca a importância de reforçar as mobilizações e os debates coletivos para exigir o atendimento das reivindicações da Campanha Salarial 2024.

Por isso, o Fonasefe aprovou o chamado aos servidores(as) para se mobilizarem, no dia 11 de julho, tanto em Brasília-DF quanto em seus locais de trabalho por todo país.

No mesmo dia 11/07, haverá a assinatura do protocolo de instação da nova Mesa Nacional de Negociação Permanente (pela manhã) e também a primeira rodada de reuniões desta nova Mesa de Negociação (pela tarde).

O SINASEFE será uma das 14 entidades sindicais do Fonasefe que estará na reunião da Mesa Nacional de Negociação Permanente de 11/07, defendendo pautas como:

1) a equiparação dos benefícios entre os servidores dos Três Poderes;
2) o revogaço dos ataques contra os servidores públicos;
3) e a recomposição salarial de técnico-administrativos (53,05%) e docentes (39,82%).

Confira no vídeo acima o informe da Direção Nacional (DN) do SINASEFE dado por Elenira Vilela (coordenadora geral), Fernando de Oliveira (4º suplente), Matheus Santana (secretário de comunicação) e Ivo da Silva (secretário jurídico).

Eixos da Campanha Salarial 2024

  1. Recomposição das perdas salariais acumuladas;
  2. Equiparação dos benefícios e auxílios entre os poderes;
  3. Mesas setoriais (reestruturação de carreiras);
  4. Revogaço.

Proposta do Fonasefe

proposta do Fonasefe que será apresentada na Mesa Nacional de Negociação Permanente busca recompor as perdas salariais históricas dos servidores públicos no período de julho de 2010 até junho de 2023.

Perdas salariais

Para o bloco de servidores federais que tiveram dois reajustes após a negociação da Greve de 2015 (caso dos técnico-administrativos da carreira do PCCTAE), o Fonasefe calculou 39,77% de reajuste acumulado (2013 até 2023) e perdas salariais na casa dos 53,05%.

Para o bloco de servidores federais que tiveram quatro reajustes após a negociação da Greve de 2015 (caso dos professores da carreira do EBTT), o Fonasefe calculou 53% de reajuste acumulado (2013 até 2023) e perdas salariais na casa dos 39,82%.

Reivindicação

Diante do cálculo das perdas salariais exposto acima, o Fonasefe reivindicará do Governo Federal:

  • 53,05% para o bloco de servidores que tiveram dois reajustes após a negociação da Greve de 2015
  • 39,82% para o bloco de servidores que tiveram quatro reajustes após a negociação da Greve de 2015

Documento na íntegra

Veja a proposta do Fonasefe na íntegra no documento abaixo:

PropostaCampanhaSalarial2024